Ir para conteúdo 1 Ir para menu 2 Ir para busca 3 Ir para rodapé 4 Acessibilidade 5 Alto contraste 6 Alto contraste 6

FECAM solicita do Estado mais informações sobre a estrutura da saúde e apoio financeiro às estruturas de Alta e Médica Complexidade para o enfrentamento ao COVID-19

Político Institucional

13 de maio de 2020 09:57

Em documento enviado nesta terça-feira (12) ao governo do Estado, a FECAM solicita que os recursos excedentes da suspensão temporária da dívida com o BNDES (R$ 35 milhões), por decisão judicial, sejam aplicados no apoio às estruturas de alta e média complexidade destacados para o atendimento à população catarinense no combate a pandemia de coronavírus.

A sugestão da FECAM é que os critérios de distribuição dos recursos sejam definidos em um grupo de trabalho interinstitucional de entidades envolvidas na gestão da saúde no Estado. Com esse pedido ao Estado, a entidade solicita mais uma vez atenção na organização e investimento de recursos financeiros nas infraestruturas regionais de saúde. “Precisamos reforçar a capacidade de atendimento nas regiões com os hospitais referenciados para atuar no plano local de defesa da vida e das pessoas”, cita o presidente da FECAM, prefeito de Caçador, Saulo Sperotto.

A entidade solicitou ainda o pagamento das emendas impositivas em saúde, informações sobre a retomada do Sistema Nacional de Regulação (SISREG) - que faz a gestão das listas de cirurgias eletivas, além de reforçar a necessidade do envio de mais informações sobre a infraestrutura de saúde aos municípios. O pedido é para que as autoridades sanitárias estaduais constituam canal permanente de orientação e repasse de informações técnicas derivada de dados e modelos preditivos sobre o comportamento da Pandemia nos variados territórios catarinenses.

Para a tomada de decisão, busca-se as seguintes informações:
• A estimativa sobre a predição dos casos confirmados de COVID-19 por região ou município (Cenários da expansão e pico da curva);
• Tempo médio de duplicação dos casos confirmados por municípios;
• Tempo médio de duplicação dos óbitos por município;
• Número de casos confirmado por municípios detalhado por bairro;
• Número de casos recuperados por municípios detalhado por bairro, gênero, idade, dentre outras informações;
• Número de casos em isolamento por municípios;
• Taxa ou índice de isolamento social por município;
• Taxa de ocupação de leitos de UTIs por hospital de referência de forma diária;
• Taxa de ocupação de leitos de retaguarda por hospital de referência de forma diária;
• Expansão dos leitos de UTIs planejados (meta será concretizada até o final de maio).