• FECAM - Federação de Consórcios, Associações e Municípios de Santa Catarina

Bolsa-Estiagem já pagou mais de R$ 13,6 milhões a agricultores atingidos pela seca no Sul do País

Bolsa-Estiagem já pagou mais de R$ 13,6 milhões a agricultores atingidos pela seca no Sul do País

Bolsa-Estiagem já pagou mais de R$ 13,6 milhões a agricultores atingidos pela seca no Sul do País 150 150 Fecam Portal

Já são 45.652 as famílias de agricultores familiares atingidas pela seca na safra 2003-2004 no Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná e Mato Grosso do Sul que receberam o auxílio Bolsa-Estiagem. Os benefícios pagos ultrapassaram os R$ 13,6 milhões. Os dados são relativos ao dia 22 de dezembro e representam 89,5% do total previsto para ser sacado pelos agricultores nesta primeira fase de concessão do auxílio. O dinheiro está disponível nas agências do Banco do Brasil (BB). Cada família beneficiada receberá, em parcela única, o valor de R$ 300 sem necessidade de reembolso.


Das 514 cotas do Bolsa-Estiagem disponibilizadas no Mato Grosso do Sul, 416 já foram sacadas. No Paraná, das 3.562 cotas foram sacadas 3.095. No Rio Grande do Sul, foram sacadas 28.144 das 32.349 cotas disponíveis. E em Santa Catarina, das 14.581 cotas, os agricultores sacaram 13.997. A partir do dia 29 de dezembro mais 5.722 cotas de R$ 300 serão repassadas às agências bancárias, totalizando R$ 1,7 milhão. O recurso extra estará disponível para os municípios beneficiados pela redistribuição de cotas do programa.


O auxílio Bolsa-Estiagem é parte de uma ação coordenada pelo Ministério da Integração Nacional (MIN) e executada pelo Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA). Destina-se às famílias em situação de risco alimentar por conta de perdas causadas pela seca na safra 2003-2004. Estão sendo atendidos os agricultores familiares que se cadastraram para o programa até 20 agosto. Na ocasião, foram admitidos como beneficiários os produtores que, entre outros critérios, não haviam acessado crédito de custeio do Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf); que possuíam renda média mensal de até dois salários mínimos; e que haviam declarado perda de pelo menos 50% das culturas de soja, milho, feijão, algodão, arroz, mandioca ou banana.


Para retirar o dinheiro, basta o agricultor se dirigir ao caixa do banco com o documento de identidade e CPF. Para os correntistas do Banco do Brasil, o dinheiro pode ser creditado automaticamente na conta corrente.


Fonte: Site do MDA