• FECAM - Federação de Consórcios, Associações e Municípios de Santa Catarina

Cidades catarinenses são tema do Globo Repórter sobre o poder das águas

Cidades catarinenses são tema do Globo Repórter sobre o poder das águas

Cidades catarinenses são tema do Globo Repórter sobre o poder das águas 1024 780 Fecam Portal

Santa Catarina é um dos estados brasileiros que mais possui fontes de águas termominerais. Já foi, inclusive, durante o período imperial, palco de disputa territorial por conta da presença dessas águas. Para além do turismo, esse recurso é utilizado como tratamento alternativo para algumas doenças no Estado e é ofertado como uma forma de prática integrativa e complementar de saúde (PICS). A FECAM acompanha e estimula os municípios a adotarem esse tipo de prática.

O programa Globo Repórter “O poder das águas”, da TV Globo, que vai ao ar nesta sexta-feira (25), apresenta cinco municípios catarinenses que se destacaram no uso ou nas pesquisas sobre o uso das águas em tratamentos de saúde. A equipe de jornalismo ficou seis meses ouvindo especialistas e histórias de pessoas que fazem o uso do termalismo – uso de águas termais na saúde – como um tratamento auxiliar. 

Os municípios de Santa Rosa de Lima, Santo Amaro da Imperatriz, Balneário Piçarras, Piratuba e Palhoça foram retratados no episódio.

O repórter Ricardo Von Dorff foi quem encabeçou a pauta, com o auxílio de uma equipe de reportagem da NSC. Ele conta que o primeiro passo foi entender sobre o uso de águas termais no Estado e, posteriormente, encontrar estudos sobre as características desses recursos termais catarinenses. Foi aí que a equipe se deparou com as pesquisas do Laboratório de Neurociências Experimental (LaNEx) da Universidade do Sul de Santa Catarina (Unisul), localizado no município de Palhoça. 

Um dos estudos do LaNEx diz respeito às capacidades analgésicas da água, que comparou uma amostra de água sem minerais à uma amostra da água de Santo Amaro da Imperatriz. “A água de Santo Amaro possui um poder analgésico cinco vezes maior do que uma água sem minerais na mesma temperatura”, conta Von Dorff. 

Foi neste Laboratório, por exemplo, que se descobriu que a água utilizada no município possui características químicas cicatrizantes e antissépticas, além de serem calmantes. Assim, o município passou a oferecer tratamentos para pessoas com dores crônicas, com sequelas do tratamento de câncer e crianças com o transtorno do espectro autista. 

Com o maior número de PICS oferecidas no Estado, Santa Rosa de Lima é também destaque pelo termalismo social. Com sessões em grupo, o município trata principalmente a depressão de seus pouco mais de 2,5 mil habitantes, em piscinas de águas termais, com aulas de hidroginástica. “A gente conversou com um dos médicos do posto de saúde e ele contou que o uso de analgésicos também caiu sensivelmente em Santa Rosa. A melhora psíquica, em alguns casos, também é percebida. ” 

Já o município de Balneário Piçarras é destaque por ser o único no Brasil a oferecer a talassoterapia – que utiliza o mar para o relaxamento. “Tem o caso de uma senhora de Minas Gerais que se mudou para lá por conta desse grupo. Ela diz que fazer exercícios na beira do mar e depois poder mergulhar tem ajudado muito”, complementa o repórter. 

Apesar do uso turístico das fontes termominerais ser mais desenvolvido, Piratuba também ganhou um lugar especial no programa por conta da Festa do Roupão, um evento em que todos os convidados utilizam roupão. “Assim como é normal você ver alguém com roupa de banho na praia, lá, é normal você ver as pessoas usando roupão. Até a nossa equipe entrou na brincadeira e comprou roupões para usar”, conta Von Dorff aos risos. 

Todo o programa foi pensado para contar as histórias envolvidas no uso das águas termais em Santa Catarina e mostrar não só aos catarinenses a grande riqueza que está presente em nosso Estado. “Queremos que esse Globo Repórter seja leve e agradável, para que as pessoas se interessem e que sirva de inspiração para que outras cidades catarinenses possam aproveitar as suas águas termais. Que os governos e as universidades invistam em mais pesquisas das nossas águas termais”, finaliza. 

Foto: Nsc/Divulgação.